segunda-feira, 22 de maio de 2017

De extrativista a manejador florestal
* Ecio Rodrigues
Tornou-se de certa forma comum associar o nome de Chico Mendes ao extrativismo da borracha nativa e às Reservas Extrativistas (um tipo especial de unidade de conservação), para explicar o cotidiano da produção florestal na região amazônica durante a década de 1980.
Entretanto, a história econômica da Amazônia, como de resto tudo o mais, não é tão simples assim.
Após o período inicial de conquista do mercado internacional de látex pela borracha nativa, por volta de 1880, veio o apogeu da produção e o fim do monopólio amazônico, ocorrido em 1911, com os seringais plantados da Malásia.
Recuperado, por conta do isolamento dos produtores da Malásia durante a Segunda Guerra, o mercado para a borracha da Amazônica voltaria com força no decorrer das décadas de 1940 e 1950, período no qual se organizou um aparato estatal – caríssimo, diga-se – destinado à oferta de borracha aos países aliados.
Passado o esforço de guerra e liberados os seringais cultivados da Malásia, o extrativismo da borracha na Amazônia enfrentaria novo declínio, desta feita sem volta – em caráter definitivo.
Durante a década de 1960 desmontou-se a estrutura de fomento à extração de borracha na região, cujo fim fora oficialmente decretado com a transferência da atenção estatal para a produção gomífera levada a efeito nos seringais cultivados de São Paulo.
Observando taxas decrescentes todos os anos, a produção de borracha nos seringais nativos amazônicos ressentia-se da ausência do apoio estatal, que foi redirecionado, na região, para a expansão da pecuária de gado. A insignificância econômica da produção de borracha levou seu principal ator social, o seringueiro extrativista, a ser esquecido pelas políticas públicas.
Contudo, a figura do extrativista inexistente na década de 1970 ganharia visibilidade com a ampliação do desmatamento para a instalação da pecuária.
Acontece que, mesmo sem produzir borracha, ou produzindo quantidades desprezíveis para a estatística oficial, o seringueiro teimou em continuar na sua unidade produtiva, a chamada “colocação”, fazendo surgir um inevitável conflito com os pecuaristas.
Na década de 1980 o extrativismo seria redescoberto, sob certo deslumbramento, pelas instituições de pesquisas e, sobretudo, pelo movimento ambientalista internacional: associado à conservação da floresta, foi alçado à condição de atividade produtiva adequada aos ideais de sustentabilidade.
Tendo sido esquecido na década de 1970 e redescoberto na de 1980, o extrativista viria a se tornar ambientalista na década de 1990.
A despeito do deslumbramento com o extrativista-ambientalista, todavia, não se deu o passo em direção à diversificação dos produtos florestais explorados (considerando-se que a borracha não era mais uma opção), de modo a elevar a renda do produtor, pelo menos, até o mesmo patamar assegurado pela pecuária.
A opção pelo boi era inevitável, e o extrativista da década de 2000 se tornou pecuarista. A tendência à agropecuarização hoje observada nas Reservas Extrativistas em toda a Amazônia reflete a desastrosa realidade do extrativista encantado com a pecuária. Daí a reivindicar o aumento da área desmatada de sua colocação é, como se diz, um pulo – que vem sendo dado ano após ano.
Contudo, ainda há tempo para transformar o extrativista da década de 2020 em manejador florestal, capaz de explorar um leque de produtos florestais, obedecendo a uma escala de extração e reposição determinada pelas técnicas de manejo.
Um mercado que pode ser monopolizado, da mesma forma como acontecia com o da borracha, já que se trata de produtos extraídos diretamente do interior de uma floresta peculiar, que só existe na Amazônia.
Uma produção adequada à realidade florestal amazônica e que possibilitará ao produtor a obtenção de renda sem apelar para o desmatamento e para a nefasta criação de boi.


*Professor Associado da Universidade Federal do Acre, engenheiro florestal, especialista em Manejo Florestal e mestre em Política Florestal pela Universidade Federal do Paraná, e doutor em Desenvolvimento Sustentável pela Universidade de Brasília.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Os 30 anos do Projeto Antimary e a tecnologia do Uso Múltiplo da Floresta
* Ecio Rodrigues
No longínquo 1987, um grupo de engenheiros no Acre concebeu o que pode ser considerado um dos mais expressivos projetos voltados para a busca de respostas com relação à exploração da biodiversidade presente no ecossistema florestal da região.
O projeto, financiado pela ITTO (em português, Organização Internacional de Madeiras Tropicais), deu origem à Floresta Estadual do Antimary e se configura no maior aporte financeiro para a pesquisa já realizado no estado – jamais repetido, lamentavelmente, mesmo passados 30 anos.
Tendo enfocado inicialmente a produção de madeira, a equipe envolvida na execução do projeto se deparou com as especificidades botânicas da floresta local, distinguidas por baixo volume de madeira comercial (em comparação com outras localidades amazônicas) e elevada diversidade de espécies por hectare.
Outras especificidades, desta feita no contexto socioeconômico, decorrentes do processo histórico de ocupação do Acre, relacionavam-se à presença marcante dos “seringueiros” no interior da floresta, dispersos em unidades de produção familiar, as chamadas “colocações de seringa”.
Esse singular produtor extrativista especializara-se na exploração comercial de castanha-do-brasil e borracha e, para a oferta de ambos os produtos florestais, contava com um complexo sistema de escoamento, baseado na associação entre rios, igarapés e vias terrestres designadas como “varadouros” e “varações”.
A compreensão dessas peculiaridades levou a equipe de pesquisadores a optar pela ampliação do escopo do manejo florestal, de forma a suplantar a tradicional aplicação dessa técnica, voltada para a produção de madeira, e chegar ao arrojado conceito do Uso Múltiplo da Floresta.
Esperava-se, dessa maneira, conceber uma tecnologia que possibilitasse a exploração de todo o potencial presente no ecossistema florestal, entre produtos e serviços – incluindo-se a madeira, obviamente.
Além de ajudar a superar o grave problema da baixa quantidade de madeira por hectare, a ampliação da cesta de produtos florestais facilitava a inserção do extrativista nos procedimentos do manejo florestal, já que ele detinha experiência em outros produtos, e não em madeira.
Uma vez definida tal diretriz, a equipe realizou uma dúzia de estudos – tais como inventários (florestal, de ecossistemas e de fauna); levantamento socioeconômico; diagnóstico de seringal nativo; pedologia; bacia hidrográfica –, tornando a Floresta do Antimary uma das áreas de floresta nativa mais pesquisadas da Amazônia.
Esses estudos subsidiaram a elaboração do Plano de Manejo, cujos detalhes foram discutidos em seminários técnicos, num processo de construção participativa que reuniu os produtores e os mais respeitados estudiosos sobre biodiversidade na Amazônia.
Passados 30 anos, é inquestionável o sucesso do projeto, e a própria ITTO reconheceu esse êxito, tendo aportado novo volume de recursos financeiros em 1992, aproximadamente 2 milhões de dólares, destinados à implantação da tecnologia de Manejo Florestal de Uso Múltiplo.
A recorrente discussão acerca do Uso Múltiplo no âmbito do Acordo de Paris, pacto internacional assinado em 2015 com o propósito de atenuar as mudanças no clima, demonstra que a aplicação dessa tecnologia pode ser condição para a sustentabilidade da Amazônia.
Merecem congratulações a Fundação de Tecnologia do Acre, Funtac, órgão responsável pela gestão do Projeto Antimary, e todos os que, em algum momento, participaram de sua execução – dos barqueiros e mateiros aos técnicos e engenheiros que correram riscos profissionais ao levar a cabo essa significativa experiência.
Oxalá, no futuro, a tecnologia que concretiza o uso econômico e sustentável dos numerosos produtos da biodiversidade na Amazônia se torne, para o produtor, uma opção mais vantajosa do que a criação de boi.
Mas esse futuro, por suposto, já deveria ter chegado...
        

*Professor Associado da Universidade Federal do Acre, engenheiro florestal, especialista em Manejo Florestal e mestre em Política Florestal pela Universidade Federal do Paraná, e doutor em Desenvolvimento Sustentável pela Universidade de Brasília.


segunda-feira, 8 de maio de 2017

O Inpa e os 30 anos da Floresta Estadual do Antimary
* Ecio Rodrigues
Referência para o estudo do Manejo Florestal – tecnologia que possibilita a exploração sustentável da diversidade biológica presente na floresta amazônica –, o Projeto Antimary completa 30 anos com futuro incerto.
O nível de investimentos em pesquisas alcançado durante a década de 1990, por meio do financiamento obtido junto à Organização Internacional de Madeiras Tropicais (ITTO, na sigla em inglês), jamais foi retomado.
Embora não existam estatísticas, é possível afirmar, sem medo de errar, que após o encerramento do financiamento da ITTO, o orçamento atual destinado ao Antimary não chega a 10% do que era anualmente investido até o início dos anos 2000.
Sucessivos governos estaduais não dedicaram à Floresta do Antimary, unidade de conservação engendrada pelo projeto, a relevância técnico-científica conquistada com muito esforço no período em que chegou a ser uma das áreas de vegetação nativa mais estudadas da Amazônia – em face justamente do cabedal de pesquisas ali realizado.
Não à toa, os mais renomados estudiosos da dinâmica florestal amazônica e as mais notáveis organizações científicas da região, como é caso do Inpa e da Embrapa, envolveram-se nalgum tipo de pesquisa levada a cabo naquela área florestal.
 A propósito, merece destaque a relação do Inpa (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia) com o Antimary: além de tomar parte, desde o início, da assessoria permanente ao projeto, os técnicos desse instituto também participaram da definição e realização de diversos estudos.
Estudos que se estenderam por anos, mantendo o envolvimento do Inpa com o Antimary até os dias atuais. Não seria demais afirmar que, hoje, as pesquisas de maior envergadura ainda em andamento têm a participação direta do Inpa.
O Inpa contribuiu no estabelecimento das diretrizes técnicas que conferiram ao Antimary o status de pesquisa florestal de referência. Duas dessas diretrizes foram essenciais e viriam a distinguir positivamente a experiência.
Trata-se, a primeira, da opção desenvolvimentista assumida pelo projeto.
Desde o início, a intenção não foi a de dar continuidade às pesquisas realizadas pelo Inpa em outra realidade ecossistêmica ou em outros cantos da Amazônia. Tampouco se pretendeu, no âmbito do Acre, introduzir uma nova linha de pesquisa, fosse básica ou teórica, como gostam os pesquisadores.
Dessa forma, o caráter de experiência piloto ou de desenvolvimento foi mantido e impulsionado, tendo-se tornado importantíssimo para o reconhecimento público do projeto e sua inserção no mercado.
Os desencadeamentos dessa opção levaram à segunda diretriz fundamental: a inserção dos atores sociais e econômicos envolvidos com a produção de madeira.
 Entidades como a Fieac (Federação das Indústrias do Acre), o CNS (Conselho Nacional dos Seringueiros) e o CTA (Centro dos Trabalhadores da Amazônia) tiveram assento no Conselho Consultivo e no Comitê de Direção do projeto, participando de todas as deliberações importantes para o Antimary.
A superação das condições predatória e perdulária que então caracterizavam a exploração madeireira no Acre configurou-se, assim, no propósito primordial de tudo o que foi realizado no Antimary.
O escopo do projeto foi a elaboração dum conjunto de procedimentos técnicos que, uma vez assumidos pelos empresários e aceitos pela sociedade, viessem a viabilizar o manejo florestal para a produção permanente de madeira em escala comercial.
Além, claro, de colocar à disposição dos gestores públicos estaduais (de antes e de agora) um mecanismo de controle de mercado, mediante a oferta de um estoque regulador de 18 mil m3 anuais de madeira – de acordo com a área a ser manejada na Floresta Estadual do Antimary.
O legado do Antimary pode ser percebido na política nacional para a floresta amazônica gestada em 1996 e na que foi aprovada no Acre em 2001.
                                                                                                                      
*Professor Associado da Universidade Federal do Acre, engenheiro florestal, especialista em Manejo Florestal e mestre em Política Florestal pela Universidade Federal do Paraná, e doutor em Desenvolvimento Sustentável pela Universidade de Brasília.


sexta-feira, 10 de março de 2017

Livro sobre Mata Ciliar no Rio Purus e lançado 


             Como parte da expertise de alguns docentes da Ufac e sua equipe, mais uma publicação sobre mata ciliar é lançada. Desta vez, o destaque e para o Rio Purus. 
            O livro pretende apresentar os resultados do Projeto de Pesquisa intitulado: "Ciliar Cabeceiras do Purus" trazendo a discussão de duas premissas; a primeira é que o Rio Purus é a primeira barreira à expansão do crescente desmatamento no Acre; e a segunda, é a afirmação de que está nesta vegetação ciliar a solução para o equilíbrio hidrológico do rio. 

            O Projeto Ciliar Cabeceiras do Purus foi aprovado por meio do Edital MCT/CNPq/CT-Agro nº 26/2010 - Reflorestamento em Áreas Degradadas Visando Restauração Ambiental, Serviços Ecológicos e outros usos, Chamada 1 - Propostas Individuais, e contou com orçamento de R$ 100.000,00, sendo seu principal objetivo o diagnóstico da dinâmica florestal presente na mata ciliar do Rio Purus, em especial o trecho que corta as cidades de Sena Madureira (desde a foz do rio Iaco), Manuel Urbano e Santa Rosa do Purus (em direção à sua nascente no Peru), considerado, para efeito dos estudos, como a área de influência da cabeceira. 
        O projeto que teve inicio em 2010 encerrou suas atividades em 2016, sendo a publicação do Livro do Projeto a ultima ação realizada, já no começo de 2017. Com o titulo: "Ciliar Cabeceira: mata ciliar no rio Purus" o livro traz em suas 262 páginas uma ampla discussão sobre a importância da mata ciliar, além de dados sobre a bacia, suas ações e resultados alcançados. 
          O projeto teve como referência sua experiencia anterior no Projeto Ciliar Só-Rio Acre, base para a elaboração e aprovação desta proposta.  Foram 10 dias de expedição para coleta de dados que, assim como projeto referência, apresentou o resultados sobre a composição florestal local, sobre as 20 espécies de maior valor de importância (IVI Mata Ciliar) e a utilização de procedimento metodológico para calculo da Largura Técnica da mata ciliar. 

             O grupo de pesquisadores, liderados pelo professor da UFAC, Dr. Ecio Rodrigues, envolve uma serie de profissionais, entre eles, doutores, mestres, ex alunos e alunos da Universidade que completam uma equipe multiprofissional  com experiencia na área florestal, totalizando em 2017 duas publicações nesta área.

             Para os interessados, a aquisição do livro pode ser feita nas livrarias Paim e Betel, em Rio Branco. Mais informações consulte o blog: http://ciliarcabeceirasdopurus.blogspot.com.br

Alana Chocorosqui Fernandes 
Eng. Florestal e co autora do livro
    

terça-feira, 7 de março de 2017

A sustentabilidade da Amazônia não é opcional
* Ecio Rodrigues
Ainda que seja comum confundir-se o conceito de sustentabilidade com o de estabilidade no crescimento econômico, uma coisa é certa: desde a virada do século XXI que a Amazônia patina na economia, a despeito de ter se afastado da sustentabilidade.
Ou seja, o fato de se comprometer a sustentabilidade da região não tem ajudado a potencializar sua dinâmica econômica. É o pior dos mundos. Cabe esclarecer que, na Amazônia, a opção pela sustentabilidade implica ancorar a economia na exploração da diversidade biológica presente no ecossistema florestal.
Como costumam reiterar administradores e estudiosos que se debruçam sobre a política de desenvolvimento local, a instalação de atividades produtivas voltadas para extrair, industrializar e comercializar as matérias-primas abundantes na floresta promove, por assim dizer, a vocação produtiva regional.
Sem meias palavras, é o seguinte: a cada boi que nasce, a Amazônia se afasta da sustentabilidade; a cada quilo de carne de paca que se produz, a região se aproxima da sustentabilidade.
Essa lógica vale, por suposto, para o produto florestal que atualmente mais emprega e gera riqueza na região: a madeira.
Depois de passar por um ciclo econômico vigoroso na década de 1970, a exploração de madeira tropical amazônica hoje dispõe de tecnologia de manejo florestal apta a garantir uma oferta que, além de ser permanente, é reconhecida como sustentável pelos países compradores.
Abrir mão do potencial econômico representado pela madeira, como defende muitos desavisados, seria um tiro no pé, diante do valor desse produto e do seu significado para a geração de emprego na região. Nenhum produto de origem florestal tem mais capacidade para gerar riqueza que a madeira. Simples assim.
Continuando na mesma lógica – e, nessa altura, manifestando complacência em relação a quem desiste de ler o artigo por discordar do que aqui se escreve –, diga-se que, em face do universo de possibilidades econômicas descortinado pelas sementes e pela fauna silvestre, parece mesmo insano que não se explore esses dois segmentos do setor florestal.
Sementes de árvores e palmeiras amazônicas são nobres não apenas pela beleza, mas sobretudo por sua proficuidade, pela variedade de usos e produtos que podem engendrar. Entre esses usos, a produção de mudas, atividade que movimenta somas inestimáveis no mundo inteiro, talvez seja o mais elementar.
Além de serem utilizadas para fins alimentícios, as sementes se transformam em óleos, que por sua vez podem atender ao mercado de cosméticos ou ser queimados em motores empregados na geração de energia elétrica e no deslocamento das embarcações que transportam cargas e pessoas pela imensidão hidrográfica amazônica.
A fauna silvestre amazônica dispensa apresentação. Seja para a comercialização dos chamados bichos de estimação (papagaio e macacos são os mais cotados) ou para a produção de carne (queixada e paca são os preferidos), o manejo florestal de animais nativos já comprovou ser uma atividade bastante lucrativa.
Essa ladainha não é novidade e muita gente, antes deste artigo, já chamou a atenção para o mesmo prognóstico: a saída para a ocupação produtiva da Amazônia está no uso econômico de sua biodiversidade.
Mas essa saída, sem embargo de apresentar viabilidade econômica inquestionável, só veio a assumiu maior significado depois da Rio 92 e, mais recentemente, com a assinatura (em 2015) do Acordo de Paris. A saída pela biodiversidade se ajusta aos preceitos de sustentabilidade exigidos pelo planeta e pactuado pelas nações.
Por isso a sustentabilidade, para o caso de uma região como a Amazônia, não pode ser opcional. Não há espaço para sacrificar a sustentabilidade em troca de ganhos econômicos decorrentes da expansão do agronegócio. 
Trilhar o caminho da sustentabilidade é vocação inexorável da Amazônia, e não vai ser a criação de boi que vai comprometer esse destino.  

*Professor Associado da Universidade Federal do Acre, engenheiro florestal, especialista em Manejo Florestal e mestre em Política Florestal pela Universidade Federal do Paraná, e doutor em Desenvolvimento Sustentável pela Universidade de Brasília.


Livro Ciliar Só Rio Acre

Livro Ciliar Só Rio Acre